Crítica | A evolução de Shadowhunters em sua segunda temporada


Shadowhunters estreou no ano passado cercada de expectativas, mas acabou frustrando a maioria dos fãs da saga literária que deu origem ao filme Os Instrumentos Mortais há alguns anos atrás.

A série na primeira temporada gerou opiniões diversas, já que o elenco era fraco, os efeitos especiais deixavam a desejar e o roteiro não ajudava. Os que já haviam lido os livros, achavam que a série não honrava a obra literária e isso fez com que na segunda temporada mudanças acontecessem nos bastidores, como novos roteiristas, showrunners...

A segunda temporada estreou e ainda está no ar, mas quem não desistiu da série, por mais que isso tenha sido difícil, consegue ver o quanto a história evoluiu. Nunca pensei que uma série que eu assistia por assistir se tornaria tão gostosa e que surpreendesse com uma história muito bem amarrada. Outro ponto positivo são que os atores encontraram o tom de seus personagens e já não passam muito mais vergonha em cena, além das cenas de luta que melhoram muito nessa segunda metade da temporada.

A história entre Claire (Katherine McNamara) e Jace (Dominic Sherwood) está evoluindo aos poucos, por tanto, não temos uma sensação de enrolação e o casal não fica chorando pelos cantos por conta da separação. Alec (Matthew Daddario) e Magnus (Harry Shum Jr.) também são um casal muito querido, um dos pontos mais altos da série. Toda a história envolvendo o vício de Isabelle (Emeraude Toubia) me fez torcer para que ela ficasse com Raphael (David Castro), mas sabemos que não vai ser bem isso que vai acontecer. Sebastian (Will Tudor) apareceu e promete ser o grande vilão que estava faltando na série. É para se animar ou não é?

A série ainda tem muito o que mudar, por exemplo, o fato de colocarem personagens de uma hora para outra e não aprofundar mais certas histórias para que o público consiga sentir certa simpatia pelo tal, mas é algo pequeno perto de todos os outros erros que a série já concertou.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.