Papo Reto com Marcos Pitta | Apesar de alguns tropeços, Pega Pega começa bem


Se comparar com Totalmente Demais, Haja Coração e Rock Story, a nova novela das sete fica para trás. As antecessoras tiveram começo conquistador, com cenas que davam vontade de acompanhar o próximo capítulo, e isso não acontece no nível 100% com a nova história.
A trama é boa, o texto de Cláudia Souto é bem organizado, não confunde, é leve e bastante cômico. O pecado maior, talvez, seja a falta de entusiasmo no núcleo principal. Camila Queiroz e Mateus Solano são ótimos, mas não existe química ali, pelo menos por enquanto. Fora isso, que considero o pecado mais grave da novela, o resto está bem interessante. O começo foi morno, mas bom.
Depois de três capítulos na expectativa para o grande roubo que conduzirá a história, o público pode notar boas atuações e uma edição primorosa. Os números correspondem a altura, o público parece ter se empolgado. A trama é leve, como já disse, e é disso que precisamos, leveza e diversão.

Ainda sobre a nova trama

Mariana Santos está excelente no papel de Maria Pia. A atriz que faz uma novela pela primeira vez está conseguindo provar seu talento. Sua personagem é apaixonada por Eric (Mateus Solano), e já provou que não gostou nada de seu envolvimento com a mocinha Luiza (Camila Queiroz).
Maria Pia é o típico patinho feio de sua família. O personagem está sendo bem defendido nas mãos da atriz e promete render boas cenas. Uma vilã boa de se ver, que tem toques de comédia. A atriz é boa, não dá pra negar.

Enquanto isso, casais das nove mostram química

Enquanto Camila Queiroz e Mateus Solano não mostram sintonia na nova trama das sete, os casais de A Força do Querer mostram o contrário. Paolla Oliveira e Marco Pigossi já são queridos pelos telespectadores. Ainda com Pigossi, Isis Valverde mostrou boa química. Juliana Paes e Rodrigo Lombardi, sempre que aparecem juntos, mesmo brigando, encantam e, ela ainda, tem sintonia no nível máximo com Emílio Dantas.
Por falar em Emílio Dantas, o ator tem química até nas cenas com Paolla Oliveira, onde a policial Jeiza persegue o bandido Rubinho
Temos também Débora Falabella que está muito bem fazendo sua primeira vilã, e sua química com Dan Stulbach é muito visível nas cenas, assim como as cenas do ator com Maria Fernanda Cândido.
Enfim, a novela toda tem química. O texto de Glória Perez, a direção de Rogério Gomes, a atuação de todos os atores estão numa sintonia de dar arrepio.

Brasil a Bordo é uma viagem inesquecível para quem assina Globo Play

Os assinantes da plataforma digital Globo Play estão com todos os episódios de Brasil a Bordo, série de Miguel Falabella que só estreia na televisão no ano que vem, disponíveis. Falabella prova nesta série que ainda sabe fazer uma boa comédia.
A história que narra a vida de uma família dona de uma companhia aérea na beira da falência retrata um momento muito real do país e algumas cenas são tão explicitas que seria cômico se não fosse real. A atuação de Arlete Salles está impecável e Stella Miranda, a eterna Dona Álvara de Toma Lá Da Cá, apesar de aparecer pouco, está divertidíssima.

Marcus Caruso e Miguel Falabella assim como todo o elenco da série mostram sintonia em uma comédia que vale à pena ver e, depois, rever quando a Globo estrear na sua grade. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.