Novela Escrita | Suspeitas - Capítulo 06



CENA 01 – CASA DA FAMÍLIA PRADO/SALA DE ESTAR – INT – DIA

Leonardo está na sala com a mãe. O delegado Heitor está parado perto da estante de fotos olhando a foto da família que está em destaque.

HEITOR: Um crime que precisa urgentemente ser explicado!

Beatriz vai até o delegado com os olhos vermelhos:

BEATRIZ: Foi ela! Foi aquela desgraçada que tirou a vida do meu marido!

HEITOR: Ela também vai receber a intimação para depor, dona Beatriz! Aliás, todas as pessoas ligadas ao Gustavo irão depor.

BEATRIZ: E aquelas fotos encontradas no escritório dele? Quem é aquela mulher?

HEITOR: Ainda não sabemos! Pode ser fotos de qualquer um dos casos que ele estava defendendo! Mas vamos descobrir!

BEATRIZ: Delegado, eu exijo que o senhor faça o impossível para encontrar o responsável por esse crime!

CENA 02 – CASA DE CLARA/COZINHA – INT – DIA


Edna está colocando a mesa do café da manhã enquanto Clara está sentada na mesa lendo o jornal:

CLARA: Que crueldade fizeram com esse advogado, não é mesmo?

EDNA: Eu vi no noticiário agora cedo. Uma brutalidade! Esse homem, certamente tinha um inimigo perigoso!

CLARA: Às vezes ele apenas mexeu com a pessoa errada, titia!

EDNA: Ninguém tem direito de tirar a vida de ninguém, Clara! Não importa o motivo.

CLARA: A senhora por acaso está mandando uma indireta para mim?

EDNA: Seria absurdo se eu dissesse que te apoio naquele crime horroroso!

CLARA: A senhora já me apoiou quando se mudou para cá comigo e ficou calada!

EDNA: Eu fiz isso por que amo você e não aguentava te ver sofrendo nas mãos daquele desgraçado!

CLARA: Então, ponto final! Agora me serve esse café que eu preciso trabalhar!

Edna coloca o café na xícara. Clara continua lendo o jornal e solta um leve sorriso.

CENA 03 – CASA DE DANIELA/PORTA DE ENTRADA – INT – DIA

Edgar abre a porta e dá de cara com um policial acompanhado do delegado Heitor:

EDGAR: Em que posso ajudar?

HEITOR:
Muito prazer, eu sou o delegado Heitor Mariano. Estou aqui para conversar com a senhora Daniela Camargo!

EDGAR:
É minha filha. O que o senhor quer com ela?

Daniela
surge na sala e fala:

DANIELA:
Pode entrar delegado! Estava mesmo esperando uma visita da polícia depois do que aconteceu!

HEITOR:
Que bom que a senhora está ciente!

O delegado entra e senta com
Daniela no sofá da sala:

DANIELA:
A mulher dele me acusou, né?

HEITOR:
Ela fez acusações sim. Mas não é apenas por isso 
que estou aqui! Eu quero, antes de mais nada saber onde a senhora esteve ontem entre as dez e onze horas da noite, pode me responder?

DANIELA:
Mas é claro! Estava em casa com meu pai. Fiquei muito abalada depois da declaração que o Gustavo deu à imprensa
desmentindo o caso que mantinha comigo!

EDGAR:
Estou aqui para confirmar o que ela está dizendo delegado!

HEITOR:
Bom, por agora é só isso! Mas fique ciente que a senhora será chamada para prestar um depoimento! Tudo o que aconteceu recentemente envolvendo você e o Gustavo leva a senhora a ser uma das suspeitas pelo crime!

DANIELA:
Vou colaborar com as investigações delegado! Pode ficar tranquilo!

HEITOR:
Obrigado!

Heitor
e o policial saem. Edgar fecha a porta e confronta a filha:

EDGAR:
Você não estava em casa ontem nesta hora. Porque mentiu?

DANIELA:
Se eu contasse a verdade papai, sairia daqui algemada!

Edgar
encara a filha assustado.

CENA 04 – CASA DE CLARA/SALA DE ESTAR – INT – DIA

Clara pega sua bolsa que está no sofá e se prepara para sair. Ela ouve batidas na porta:


CLARA: Titia, a senhora está esperando alguém?

Edna que está no quarto grita e ouve-se apenas sua voz:

EDNA: Eu não! Nunca recebo visitas aqui!

CLARA: Quem será que é? Estou atrasada já!

Clara abre a porta e dá de cara com Leonardo:

CLARA: Quem é você?

LEONARDO: É você mesma!

Clara encara o rapaz sem entender o que está acontecendo:

CLARA: Sou eu o que? 

LEONARDO: Clara! É esse seu nome, não é?

CLARA: Sim, sou eu! Olha você deve ser pai de algum aluno meu, não é mesmo? Estou indo pra escola agora, de modo que a gente podia marcar um horário para conversar lá mesmo. Estou atrasada!

LEONARDO: Olha bem para mim e me diga se tenho cara de que sou pai? 

Clara encara Leonardo.

CLARA: Mas o que é isso? E lá tem uma cara própria pra dizer se a pessoa é pai ou não? Eu hein. Fale de uma vez o que você quer!

LEONARDO: Meu nome é Leonardo. Eu sou filho do Gustavo!

CLARA: Gustavo? De quem você está falando? – Ela fecha sua bolsa e ameaça sair de casa – Olha querido estou atrasada para trabalhar, por isso, vá direto ao assunto que não tenho tempo para enrolação!

LEONARDO: Eu revirei o escritório do meu pai inteiro antes de chamar a polícia ontem à noite. Encontrei fotos suas e esse endereço! Ele estava investigando você e descobriu alguma coisa que eu ainda não sei! E só vim aqui para dizer que sei que foi você quem matou o meu pai!

Clara encara o jovem assustada.

CLARA: Mas o que é isso? Você está me chamando de assassina na porta da minha casa?

LEONARDO: Eu não sei quem você é e também não quero saber, mas o que eu vou descobrir é porque você fez isso. O que foi que o meu pai descobriu que a fez chegar ao ponto de mata-lo!

CLARA: Escuta aqui garoto...

LEONARDO: ...escuta aqui você! Eu não vim aqui atrás de respostas até porque você não vai falar nada. Eu só vim até aqui para ter certeza de que era você e para a senhora marcar bem a minha cara, porque eu marquei a sua e, a partir de agora, além da polícia, eu vou ficar na sua cola. Todo dia, toda hora! Entendeu?

CLARA: Eu não tenho tempo a perder com um desequilibrado como você!

LEONARDO: O recado está dado!

Leonardo entra em seu carro e vai embora. Sérgio atravessa a rua correndo e vai até Clara:

SÉRGIO: Eu acompanhei tudo do outro lado, o que esse cara queria com você?

CLARA: Ele é filho do advogado!

SÉRGIO: O que foi assassinado?

CLARA: Sim! O próprio! Veio até aqui me fazer ameaças! Ele tem fotos minhas, Sérgio! Tudo o que estava no escritório do pai dele. Ou seja, ele também sabe!

SÉRGIO: E agora? O que vamos fazer?

CLARA: Eu preciso dar um fim nesse garoto!


CENA 05 – UNIVERSIDADE/PÁTIO – INT – DIA

No pátio da universidade, Daniela conversa com a amiga, Lívia:

DANIELA: Tudo que eu mais quero é que esse assunto seja resolvido logo de uma vez!

LÍVIA: Amiga, você sabe que pode contar comigo, não sabe?

DANIELA: Claro que sim! Mas fica tranquila que eu não citei seu nome pro delegado! Falei que estava com meu pai na hora do crime!

LÍVIA: Daniela, porque você fez isso?

DANIELA: Eu não podia dizer a verdade. E, além do mais, eu poderia prejudicar você também e isso não é certo, esse problema é inteiramente meu!

LÍVIA: E agora o que você vai fazer?

DANIELA: Vou seguir a minha vida! Antes preciso passar no apartamento que ele havia comprado para mim!

LÍVIA: O que você vai fazer lá Daniela? Pode ser perigoso, a polícia pode te ver!

DANIELA: Ninguém vai me ver. Vou entrar pelos fundos! Eu só preciso buscar minhas coisas que estão lá! Já está tudo arrumado, eu ia sair de lá quando a mulher dele descobriu tudo! Eu vou hoje à noite, não vai ter problemas!

CENA 06 – MOTEL – INT – DIA

Clara e Sérgio estão deitados na cama, apenas com um lençol.

SÉRGIO: Radical sua atitude de não ir trabalhar hoje! A polícia pode desconfiar!

CLARA: A polícia ainda nem chegou em mim! Não vão desconfiar de nada!

SÉRGIO: Você não acha melhor fugir com o dinheiro que já temos?

CLARA: Não posso fugir. Eu preciso ir até o escritório dele, pegar tudo o que é meu e que está lá!

SÉRGIO: A essa hora a polícia já tirou tudo!

CLARA: Talvez ele não tenha tudo guardado no escritório!

SÉRGIO: O que você está pensando em fazer?

CLARA: O apartamento que ele ia com a amante! É lá que pode estar os documentos que ele reuniu contra mim!

SÉRGIO: Mas e o garoto?

CLARA: Você já sabe o que fazer!

CENA 07 – CASA DA FAMÍLIA PRADO/GARAGEM – INT – DIA

Gustavo está saindo com o carro da garagem. Alguém o observa em outro carro. Ele tira o carro e desce ao ver a mãe:

LEONARDO: Mãe, o que você está fazendo aqui fora?

BEATRIZ: Meu filho, toma cuidado! Alguém pode querer fazer mal a você ou a mim. O delegado nos orientou que ficássemos em casa, que tomássemos cuidado!

LEONARDO: Mãe, eu tenho prova na faculdade, não posso faltar!

Leonardo se prepara para entrar no carro novamente quando é atingido por um tiro e cai no chão desacordado.

BEATRIZ (grita): Não!

CENA 08 – HOSPITAL– INT – DIA

Leonardo está desacordado, Beatriz está ao seu lado. Uma enfermeira chega:

ENFERMEIRA: Dona Beatriz, tem uma pessoa aqui querendo falar com a senhora!

BEATRIZ: Quem é?

Neste momento uma senhora de aproximadamente 75 anos entra e Beatriz a encara assustada:

BEATRIZ: Mãe?

A enfermeira deixa a sala.

BEATRIZ: O que você está fazendo aqui?

RUTE: Uma mãe nunca abandona o seu filho, não é mesmo? Não é o que você está fazendo com o seu filho? Cuidando dele?

BEATRIZ: O que a senhora está fazendo aqui? Ainda não me respondeu!

RUTE: Eu vim cuidar da minha filha! Será que desta vez eu posso Beatriz? Cuidar de você? Da minha filha que há mais de trinta anos não fala comigo?

Rute se emociona e é abraçada pela filha.

BEATRIZ: Me desculpa mãe! Me desculpa! Foi tudo por culpa dele! Tudo por culpa deste canalha! 

RUTE: Canalha que agora está morto!

BEATRIZ: Sim, está morto!

RUTE: Diga, Beatriz! Diga para sua mãe e não me esconda nada. Não desta vez! Foi você que matou o Gustavo?

Beatriz encara a mãe.

FIM DO CAPÍTULO 06

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.