Novela Escrita | Suspeitas - Último Capítulo



CENA 01 – APARTAMENTO DE DANIELA E GUSTAVO/SALA DE ESTAR – INT – NOITE

BEATRIZ: Eu fiz uma pergunta! O que é que vocês duas estão fazendo aqui?

Clara fecha a gaveta que abriu e se vira para Beatriz:

CLARA: O negócio é o seguinte, eu era cliente do seu marido e ele tinha em poder alguns documentos que me diz à respeito, eu só vim buscar!

BEATRIZ: Aqui?

CLARA: Acredito que esteja aqui!

BEATRIZ: Por um acaso se estiver, quem te deu o direito de leva-los daqui? Por acaso eles te incriminam de alguma coisa?

CLARA: Isso não lhe diz à respeito!

Clara volta a procurar os papéis e Beatriz vai até ela:

BEATRIZ: Você está no apartamento que era do meu marido, tudo o que tem aqui é meu!

Daniela entra na conversa:

DANIELA: O apartamento que o seu marido vivia comigo e que iria colocar em meu nome!

Beatriz se vira e fica frente a frente com Daniela:

BEATRIZ: Você  falou certo, iria colocar! Não vai mais! Porque você o matou antes disso!

Daniela se exalta:

DANIELA: Eu não o matei! Eu o amava!

Beatriz solta uma gargalhada:

BEATRIZ: Cala a sua boca! O que é que você entende de amor? Pelo amor de Deus, você mal saiu das fraudas, garota!

DANIELA: Sério? Pelo jeito o pouco que eu entendo fez seu marido ficar louco por mim, já que vivia me procurando.

BEATRIZ: Como é que é?

DANIELA: É isso mesmo! Olha para você, Beatriz. Já está velha...

BEATRIZ: Você está ficando louca?

Clara que está procurando os papéis fecha mais uma gaveta com os papéis na mão:

CLARA: Encontrei! Que amador seu marido, Beatriz, guardar papéis tão valiosos na gaveta da estante da sala do apartamento em que vivia com a amante! Bom, agora eu já vou embora e deixarei vocês sozinhas para terminarem essa discussão patética!

Clara se prepara para sair:

BEATRIZ: Ninguém sairá deste apartamento! 

CLARA: E quem é que vai me impedir? Você? Talvez você deveria cuidar do seu filho no hospital! Ele pode estar precisando da mãe!

Beatriz encara Clara:

BEATRIZ: Como é que você sabe que o meu filho está no hospital?

Daniela entra na conversa. Neste momento, as três se reúnem no centro da sala e ficam frente a frente:

DANIELA: Ela sabe, porque na verdade, foi ela quem matou o seu marido Beatriz. E deve ter tentado matar o Gustavo também!

CLARA: Você meça suas palavras para falar comigo! Olha Beatriz, eu sinceramente adoraria ficar e ver de camarote você acabar com a raça desta vagabunda, mas eu preciso ir embora. Aliás, você deveria me agradecer!

BEATRIZ: Foi você quem atirou no meu filho? 

CLARA: Não. Até porque eu não iria me prejudicar tanto assim. Mas foi eu quem pediu para entregarem as fotos do seu marido com ela para aquela revista!

DANIELA: O que?

CLARA: Sabe Beatriz, eu me coloquei no seu lugar. Não deve ser legal ser trocada por uma novinha, não é mesmo? E eu no seu lugar tomava cuidado em ficar no mesmo ambiente que essa jovem garota. Ela é perigosa!

BEATRIZ (com os olhos cheios d'água): Chega! Chega!


Beatriz se afasta das duas e vai para perto da porta:

BEATRIZ: Vocês estão querendo me deixar louca! Você Clara, não vai levar nada daqui. E você Daniela, vai se entender com a polícia. Vai acabar na cadeia. Assassina!

Daniela caminha até Beatriz:

DANIELA: Pois então chama a polícia. Chama! Quer que eu mesma faça a ligação? Porque está na cara que uma mulher traída é capaz de tudo, não é mesmo?

BEATRIZ: O que você está insinuando com isso?

DANIELA: Não estou insinuando nada, estou dizendo claramente e vou até o inferno para provar que você é a assassina do Gustavo!

Clara se aproxima:

CLARA: Vem cá, eu quero ir embora, tá bom? não tenho nada a ver com a vida de vocês!

BEATRIZ: Você não vai sair desta casa levando esses papéis! O que é que tem ai, afinal?

CLARA: Já disse que não é do seu interesse!

BEATRIZ: Mas talvez seja do interesse da polícia!

Clara encara Beatriz que percebe seu nervosismo:

BEATRIZ: Está nervosa? 

CLARA: Eu só quero ir embora!

BEATRIZ: Porque você ficou nervosa quando eu disse que iria chamar a polícia? Por acaso o meu marido havia descoberto alguma coisa a seu respeito? O que você esconde? Quem é você?

CLARA: Se você não sair da minha frente, eu vou acabar com você, assim como acabei com o seu filho!

Beatriz se descontrola ao ouvir as palavras de Clara e lhe dá um tapa:

BEATRIZ: Desgraçada! Você tentou matar o meu filho!

CLARA: E que pena que eu não consegui! 

Daniela vai até sua mala que está do outro lado da sala:

DANIELA: Mas é claro! Foi você! Foi você que matou o Gustavo! Você fotografou a gente juntos e ele descobriu que foi você, por isso você o matou. Ele deve ter descoberto alguma coisa sobre você. E claro, certamente o Leonardo descobriu a mesma coisa que o pai e você tentou eliminar ele também!

CLARA: Isso é mentira! Eu não matei ninguém!

DANIELA: Eu vou embora daqui! Não quero ficar no mesmo ambiente que uma assassina!

Daniela pega sua mala e se prepara para sair. Clara corre até ela e a segura:

CLARA: Você não vai a lugar nenhum!

DANIELA: Me solta!

As duas ouvem o barulho de um gatilho e olham para trás. Beatriz está apontando uma arma para elas:

BEATRIZ: Ninguém vai a lugar nenhum!

As duas ficam tensas ao verem a arma.

CLARA: Eu só quero ir embora com os meus papéis. Abaixa essa arma e acerta suas contas com a verdadeira assassina do seu marido. Ninguém mais poderia ter matado ele. Foi ela Beatriz! O Gustavo a negou na frente de toda a imprensa, ela só quis se vingar!

Beatriz mira a arma para Daniela e depois para Clara:

BEATRIZ: Eu não quero mais escutar nada. Eu só vim até aqui porque queria guardar esta arma, para que quando a polícia a encontrasse. Ligasse as coisas!

DANIELA: Você queria me incriminar? Queria colocar a arma aqui para a polícia encontrar e pensar que foi eu quem matou o Gustavo? 

CLARA: Ela só iria fazer a coisa certa, não é mesmo? Você não precisa mais mentir Daniela, já sabemos que foi você!

Daniela ajoelha chorando:

DANIELA: Eu jamais iria tirar a vida do homem que eu amava!

Beatriz se aproxima de Daniela e coloca a arma em sua cabeça:

BEATRIZ: Cala a sua maldita boca! Quem é você para falar de amor? Você não entende nada de amor. Você matou muito mais do que o meu marido. Você matou o meu casamento. Matou a minha paz. Matou a minha vida. Sua desgraçada. Era por isso que eu iria plantar essa arma aqui, no apartamento em que você vivia com ele. Para lhe culpar. Para lhe culpar por ter matado a minha vida e tudo o que eu conquistei durante todos esses anos. Porque o verdadeiro culpado, o verdadeiro assassino da minha vida inteira, eu já matei. Eu só queria prender a cúmplice dele!

Daniela e Clara olham assustadas para Beatriz:

DANIELA: Então quer dizer que...

CLARA: Foi você quem o matou?

Elas ouvem batidas na porta. A voz do delegado Heitor é ouvida do lado de fora:

HEITOR: Abram esta porta! É a polícia!

Clara se apavora:

CLARA: Pelo amor de Deus, Beatriz, eu preciso sair daqui. A polícia não pode me ver. Eu só queria os meus papéis. Você já confessou o crime. Sabe que não fui eu, eu nunca me meti na sua vida. Não tem porque fazer isso comigo!

O delegado continua batendo na porta:

HEITOR: Abre essa porta Beatriz! Sabemos que está ai! Já ouvimos a sua voz!

Clara implora para Beatriz:

CLARA: Pelo amor de Deus, me deixa sair daqui! Eu não tenho nada a ver com isso e entendo perfeitamente a sua situação!

BEATRIZ: Entende?

CLARA: Claro que sim! Eu também matei por amor. Eu matei por amor a minha vida. Agora eu só quero viver! Me deixa ir!

BEATRIZ: Então todas nós somos assassinas! Todas nós matamos! Matamos alguém que também nos matou por dentro!

Daniela que estava ajoelhada se levanta:

DANIELA: Você matou o homem da minha vida!

BEATRIZ: É... eu matei! Matei sim! E sabe porque? Porque eu sim o amava, Daniela. Eu sim o amava. Eu deixei uma vida por ele. Deixei toda uma vida para seguir em frente com ele e o que ele fez? Me tratou com ingratidão, não soube reconhecer nada do que fiz e do que deixei para viver com ele. Eu matei por amor. E quando se faz por amor, ninguém pode julgar.

Beatriz aponta a arma para Daniela. Aparece Heitor se preparando para arrombar a porta, quando se escuta três disparos.


FIM

E aí, curtiram a história? Até a próxima! 💪😊

uma história de MARCOS PITTA
supervisão de texto JURANDIR DALCIN

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.