Novela Escrita | O Preço da Verdade - Capítulo 07


 CENA 1 - EXT. / RUA/PRAÇA NO CENTRO DA CIDADE - DIA.

DEBORA e VINÍCIUS após o susto inicial se abraçam forte. TEODORO fica em silêncio observando os dois. A música "Espatódea - Nando Reis" começa a tocar.

VINÍCIUS: Você simplesmente sumiu do colégio, do hospital... vez ou outra via algo seu nas revistas, mas nunca imaginei te reencontrar.

DEBORA: Muita coisa aconteceu na minha vida e eu não tive tempo de explicar para as pessoas que faziam parte dela. 

TEODORO (estalando os dedos): Oi? Tudo bem? Eu estou aqui e não estou entendendo nada. Alguém pode me explicar?

DEBORA: Esse é o Teodoro, meu fiel escudeiro. Esse é Vinícius, um colega da época do colégio.

VINÍCIUS olha fixamente para DEBORA sem acreditar no que estava acontecendo.

DEBORA: Vai ficar me olhando e não me dizer como está a sua vida? 

VINÍCIUS: O que você acha de a gente sentar em um barzinho e colocar o papo em dia?

DEBORA: Eu topo!

TEODORO: E eu?

DEBORA: Quer vir?

TEODORO: Acho que vocês tem muito o que conversar né? Pode deixar que eu pego um táxi e vou para a casa.

VINÍCIUS: Eu estou com o meu carro estacionado aqui perto, se você quiser ir comigo...

DEBORA entrega a chave para TEODORO.

DEBORA: Pode ir com o meu carro então. A gente se encontra em casa!

TEODORO: Pode deixar. Aproveitem!

TEODORO vai em direção ao carro e DEBORA e VINÍCIUS também. Corta para:

CENA 2 - INT. / CASA DE MADALENA/SALA DE ESTAR - NOITE.

LEONORA senta no sofá e fica reparando a casa.

LEONORA: Essa casa continua exatamente igual.

MADALENA: Você vai falar ou vai me fazer perder a paciência?

LEONORA: Você ficou anos presa e agora que saiu eu duvido que esteja vivendo a vida em paz, sem sentir necessidade de acabar com o responsável pela sua desgraça. E eu vim aqui para lhe pedir ajuda. Eu vim aqui para dizer que eu estou do seu lado.

MADALENA (ri): Você está tirando com a minha cara? O tempo passou e você continua a mesma mulher patética de sempre, é isso? Foi o Edgar que te mandou aqui? Pois diga pra ele que a única coisa que eu espero dele é distância. E eu juro que pensei que você iria abrir os olhos com o tempo. Ver com quem você estava casada e se separar, mas pelo jeito continua sendo a mesma mulher inconsequente que faz tudo por ele. 

LEONORA: Você ouviu o que eu falei? Eu preciso da sua ajuda para acabar com o Edgar. Eu tenho certeza que você quer acabar com o responsável pela sua longa estadia na prisão.

MADALENA: Você está muito enganada. Você está muito enganada mesmo!

LEONORA: Enganada?

MADALENA: Eu nunca entendi o motivo de ir presa. Eu nunca entendi o motivo de passar anos naquele inferno por algo que eu nunca fiz. Eu nunca entendi o motivo de ele ter roubado a minha vida dessa maneira. Eu nem imaginava que o seu Fabio estava correndo risco de vida. No mesmo momento que eu soube da morte dele, a polícia bateu na porta e me levou presa por aquilo. Eu nunca entendi.

LEONORA: Ele se livrou do irmão e não precisava de ninguém no pé dele que pudesse estragar sua imagem com o sobrinho. Imagina se descobrissem que ele tinha um caso com você? Imagina se o sobrinho descobrisse? O Vinícius sempre achou que o tio fosse um exemplo de pessoa.

MADALENA: Eu estava apaixonada pelo seu marido, sim. E esse foi o pior erro da minha vida.

LEONORA: Eu não quero saber sobre vocês. Até porque você só foi mais uma que ele levou para cama. Você foi só mais uma mulher que ficou no meio do nosso casamento. Há anos eu guardo uma mágoa comigo por ter amado aquele homem com todas as minhas forças e não ser correspondida. Mas eu não posso fazer muita coisa, Madalena. Ele é o pai da minha filha. Apesar de ser um monstro, ele é o pai da minha filha.

MADALENA se aproxima de LEONORA.

MADALENA: Não pense que eu vou acreditar nesse seu papo de mulher traída. Eu não vou entrar nesse seu jogo. Eu já cometi o erro de acreditar nos Carvalho uma vez, não vou cometer o mesmo erro. 

LEONORA pega um convite da sua bolsa.

LEONORA: Eu não peço que acredite em mim. Mas eu peço que você aceite o convite de casamento do meu sobrinho com a minha filha e o impeça de cometer esse erro. 

MADALENA: Você ficou louca?

MADALENA encara LEONORA. Corta para:

CENA 3 - INT. / CASA DOS CARVALHO/SALA DE ESTAR - NOITE.

Ao som de "Erva Venenosa - Rita Lee", LUÍZA desce as escadas toda produzida. NEIA fica deslumbrada com sua beleza.

NEIA: Você está muito linda dona Luíza.

LUÍZA: Eu não estou, eu sou! E por um acaso você viu o Vinícius por aí?

NEIA: Ele ainda não chegou não. Seu carro não está na garagem...

LUÍZA olha o relógio do seu celular que marca 20:18.

LUÍZA: Eu tento ligar para ele, mas está dando desligado. Eu vou para o meu quarto e quando ele chegar você me chama na mesma hora.

NEIA: Sim senhora.

LUÍZA sobe as escadas com raiva. Corta para:

CENA 4 - INT. / BAR - NOITE.

DEBORA e VINÍCIUS entrosados conversando em uma mesa e bebendo cerveja.

VINÍCIUS: Você sabe quanto tempo eu não me divertia assim? Nem eu sei... e tomar cerveja? Meu Deus, um século.

DEBORA: Eu ainda não estou acreditando que eu reencontrei você no centro da cidade. Eu juro que ainda não caiu a ficha. 

VINÍCIUS: As vezes eu penso no que poderia ter acontecido se você não tivesse ido embora, sabia? Aqueles nossos sonhos de adolescentes.

DEBORA: Eu penso muito na vida que eu deixei para trás. Logo depois de tudo meu pai faleceu e eu me tornei essa mulher que você está vendo. Apesar de tudo acho que eu sou feliz. Falta uma coisa ali, outra aqui, mas sou feliz. E você? Lembro que você dizia que ia colocar uma mochila nas costas e rodar o mundo.

VINÍCIUS: Depois que meu pai faleceu, meus tios foram morar comigo e meio que fiquei perdido. Mas eu viajei quando completei dezoito anos, mas não foi bem com uma mochila nas costas e nem o mundo todo. Eu comecei a namorar cedo, acabei não fazendo muita coisa com a minha liberdade.

DEBORA: É... você que era todo tímido com as garotas começou a namorar cedo e vai casar. Quem diria né?

VINÍCIUS: E você que era a mais desejada do colégio, tá solteira né?

DEBORA (ri): Pra que me lembrar disso?

VINÍCIUS: Não quiser grosseiro.

DEBORA: Não foi. Estou brincando! E eu acho que eu não daria muito certo com alguém. Acho que o amor não foi feito para mim.

VINÍCIUS: Mas porque você diz isso?

DEBORA: Todas as pessoas que eu amo na vida partem de algum jeito. E eu já estou bem de despedidas.

VINÍCIUS: Isso quer dizer que você já se apaixonou por alguém?

DEBORA: Talvez. Mas não é um assunto para se falar em uma mesa de bar.

VINÍCIUS olha para a rua e percebe que já é noite.

VINÍCIUS: Meu Deus, que horas são?

Ele pega seu celular e percebe que está sem bateria.

VINÍCIUS: Minha bateria acabou e eu nem vi o tempo passar. Eu combinei de sair com a Luíza e nesse momento ela deve estar colocando fogo na casa.

DEBORA: São 21h50.

VINÍCIUS: Eu preciso ir! Você se importa de eu te levar embora agora?

DEBORA: Se você quiser eu pego um táxi.

VINÍCIUS: Imagina... eu levo você! Eu só preciso ir agora. 

DEBORA: Não tem problema.

VINÍCIUS chama o garçom para pedir a conta. Corta para:

CENA 5 - INT. / CASA DOS CARVALHO/COZINHA - NOITE.

Ao som de "Erva Venenosa - Rita Lee", LUÍZA toda produzida entra na cozinha e percebe que ela está vazia. Da porta ela consegue ver GABRIEL sem camiseta no seu quartinho. Ela vai se aproximando até chegar na porta e ver ele colocando uma toalha de banho no ombro.

LUÍZA: Vai tomar banho?

GABRIEL: Sim senhora!

LUÍZA entra no quarto e tira a roupa, indo em direção ao banheiro e deixando GABRIEL sem reação.

LUÍZA: Vai ficar aí ou vai vir tomar banho comigo?

GABRIEL vai para o banheiro. Corta para: 

FIM DO CAPÍTULO 07 

CURTIU O CAPÍTULO? COMENTE! SUA OPINIÃO É MUITO IMPORTANTE PARA O AUTOR.

Um comentário:

  1. Luíza safadona. Já quero Leonora e Madalena planejamento o fim de Edgar

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.